11 3284-2111
Direito Civil Publicado em 27 de maio de 2020

O CONDÔMINO ANTISSOCIAL E A PANDEMIA

O CONDÔMINO ANTISSOCIAL E A PANDEMIA
O CONDÔMINO ANTISSOCIAL E A PANDEMIA

 

Nessa última quarta-feira (27/05/20), foi noticiado o despejo de locatários de um condomínio situado na cidade praiana de Guarujá-SP, por conduta antissocial.

Segundo consta no respectivo processo (1003154-24.2020.8.26.0223), os mencionados locatários, além de perturbarem o sossego dos demais condôminos com barulho excessivo e em horários inconvenientes, insistiam,
mesmo havendo proibição expressa do condomínio e imposição de diversas multas, na utilização das áreas comuns do condomínio, desativadas por conta do covid-19.

Em razão disso, o locador, temeroso com as consequências dessa conduta temerária e reprovável de seus locatários, que poderiam, inclusive, recair sobre os seus ombros, houve por bem buscar auxílio perante o Poder Judiciário, para romper a locação e obter medida de urgência para desocupação do imóvel locado.

O magistrado que analisou a causa, sensível à situação do autor e dos demais condôminos, principalmente em razão do risco a que eles estavam sendo submetidos, houve por bem atender os anseios do locador, com a consequente concessão da medida judicial por ele pleiteada.

Trata-se, à evidência, de um caso excepcional, envolvendo uma relação locatícia. Mas… e se o caso envolvesse condôminos em vez de locatários?
Bem, o mesmo raciocínio se aplica, “mutatis mutandis”, no âmbito das relações condominiais.

É bem verdade que os condôminos,  por força da legislação pertinente, têm o direito de usar e fruir da propriedade condominial, tanto em relação às respectivas unidades quanto às áreas comuns, do jeito que melhor lhes convir, porém, desde que em obediência ao regulamento interno e às regras condominiais — mesmo aquelas instituídas em caráter transitório e emergencial por força do covid-19 —, e desde que não coloquem em risco os demais condôminos.

Aliás, o artigo 1.336 do Código Civil é claro nesse sentido:

Art. 1.336. São deveres do condômino:

(…)

IV – dar às suas partes a mesma destinação que tem a edificação, e não as
utilizar de maneira prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos
possuidores, ou aos bons costumes.

Nessa toada, se o condômino ultrapassa os limites da razoabilidade e coloca em risco a saúde e o sossego dos demais, é considerado antissocial e passa a se sujeitar, consequentemente, aos rigores da legislação pertinente. Segundo o artigo 1.337 do Código Civil:

Art. 1.337.   O condômino, ou possuidor, que não cumpre reiteradamente
com os seus deveres perante o condomínio poderá, por deliberação de três
quartos dos condôminos restantes, ser constrangido a pagar multa
correspondente até ao quíntuplo do valor atribuído à contribuição para as
despesas condominiais, conforme a gravidade das faltas e a reiteração,
independentemente das perdas e danos que se apurem.

Parágrafo único.   O condômino ou possuidor que, por reiterado
comportamento anti-social, gerar incompatibilidade de convivência com os
demais condôminos ou possuidores, poderá ser constrangido a pagar multa
correspondente ao décuplo do valor atribuído à contribuição para as
despesas condominiais, até ulterior deliberação da assembleia.

Assim, verificados, na espécie: o desvirtuamento da função social da propriedade — garantida, aliás, pela própria Constituição Federal, por meio de seu artigo 5º, inciso XXIII —; o prejuízo ao sossego, à saúde e à segurança, bem como a incompatibilidade de convivência com os demais condôminos (CC, art. 1.336, IV); a ineficácia das reiteradas advertências e multas pecuniárias; e o abuso de direito (CC, artigos 187 e 1.228, §2º); é perfeitamente justificável, em época de pandemia, a expulsão do condômino considerado antissocial.

Por fim, necessário se faz ressaltar que tal medida, embora necessária, mas mesmo assim extrema e radical, deverá necessariamente estar amparada por prévia decisão assemblear, fundamentada na parte final do mencionado parágrafo único do artigo 1.337 do Código Civil, de molde a autorizar a correspondente medida judicial para tal finalidade.

José Ricardo Armentano  / advogado na MORAD ADVOCACIA EMPRESARIAL

 

Morad Advocacia Empresarial

Rua Maestro Cardim, 407, 11ª andar

Paraíso – São Paulo – SP CEP: 01323-000

Tels. 55 11 – 3284-2111

site: www.morad.com.br

Morad Advocacia Empresarial atua em consonância com a legislação brasileira e internacional, repudiando ocorrências e atos de corrupção e de qualquer outra forma de proveito ilegal, não mantendo em hipótese alguma ligações espúrias com  funcionalismo de qualquer setor da Administração Pública.

Morad Business Law operates in accordance with Brazilian and international law. We reject the occurrence of corruption acts and any other form of illegal advantage, keeping no connection with servants in any sector of Public Aministration.

Entre em contato conosco teremos muito prazer em atendê-lo.

 Acesse Nossa Página no Facebook 

Gostou dessa postagem? Acesse a postagem anterior sobre

 “A MORTE DO SÓCIO E A SOCIEDADE”