11 3284-2111
Imobiliário Publicado em 23 de agosto de 2019

O corretor de imóveis e o dever de informar

Corretor de Imóveis
Corretor de Imóveis

 

O artigo 723 do Código Civil e o seu respectivo parágrafo único atribuem ao corretor de imóveis o dever de executar a mediação com diligência e prudência, bem como prestar ao cliente todos os esclarecimentos acerca da segurança e do risco do negócio. Tratam-se deveres que decorrem da boa-fé objetiva (lealdade e transparência), fundamentais em negócios dessa natureza, bem como inerentes à própria atividade técnica (corretagem) por ele realizada e regulada por lei (cf. Lei 6.530/78 e Código Civil).

Assim, cabe ao corretor não apenas informar tudo o que sabe sobre o negócio, mas, também, verificar a situação do bem e os respectivos aspectos que conferem regularidade a ele, sob pena de ser responsabilizado por negligência ou má-fé.

A esse respeito, a 20ª Câmara Extraordinária de Direito Privado do Tribunal de Justiça de SP, ao analisar interessante caso envolvendo operação imobiliária na qual a corretora de imóveis omitiu informações relevantes e substancias a respeito de dívidas existentes em relação ao respectivo bem imóvel transacionado, pronunciou-se da seguinte forma:

“Era obrigação da ré [corretora de imóveis] não só a ciência da efetiva condição do imóvel, como a cientificação do comprador, se mostrando absolutamente temerário intermediar uma negociação às escuras, capaz até mesmo de fazer o comprador terminar sem o imóvel e o dinheiro empregado na negociação.

Os desdobramentos da negociação intermediada pela ré permitem concluir que o serviço não foi adequadamente prestado, justificando a devolução do valor pago pelo autor” (cf. TJ-SP; Apelação 0044803-39.2012.8.26.0005; Rel. Des. James Siano; j. 05/08/17).

Consequentemente, aquele que intermediou essa operação imobiliária foi responsabilizado e condenado a ressarcir todos os valores desembolsados pelo comprador para a liquidação da dívida omitida, com base no artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor, segundo o qual o fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.

Vale dizer que não basta ao corretor apenas aproximar as partes interessadas e, tal qual um Pôncio Pilatos contemporâneo, lavar as mãos em relação a situação do bem imóvel que está sendo negociado! Ele tem de verificar, também, se o negócio é seguro e quais os riscos envolvidos, para poder informar os interessados a esse respeito.

Se assim não o fizer, omisso será, nas modalidades dolosa ou culposa, e será, por conta disso — como no caso mencionado a título ilustrativo —, ser responsabilizado pelo ressarcimento de todos os prejuízos decorrentes da sua omissão.

J. Ricardo de Almeida

Advogado no escritório Morad Advocacia Empresarial

 

Entre em contato conosco teremos muito prazer em atendê-lo.

 Acesse Nossa Página no Facebook facebook.com/moradadvocacia

Gostou dessa postagem? Acesse a postagem anterior sobre “O tabagismo e a responsabilização da indústria tabagista”